“Toda celebração litúrgica, enquanto obra de Cristo e do seu corpo, que é a Igreja, é ação sacra por excelência” (Sacrosanctum Concilium, n.7).

 

Liturgia é a palavra de origem grega que significa “AÇÃO DO POVO”, por tanto, a liturgia é a vida da Igreja. Embora a Missa continue com o seu valor inalterado mesmo com uma liturgia fraca, é importante que a tornemos dinâmica, de tal modo que sintamos vontade a semana toda de chegar o domingo, para novamente participarmos de uma liturgia vibrante e cativante e que está à nossa espera.

Objetivo Geral: COORDENAR e PREPARAR as equipes de liturgia para as Missas. Objetivo Específico: DINAMIZAR, ANIMAR, MOTIVAR E CRIAR oportunidades da comunidade ser mais ativa durante as celebrações e, mas demais pastorais.

A Liturgia da Igreja convida todos os fiéis católicos a celebrar a fé recordando vivamente o exemplo deixado pelo Senhor, Santa Maria e os santos com um coração agradecido e cheio de alegria.

A celebração litúrgica é tecida de sinais e de símbolos, cujo significado, radicado na criação e nas culturas humanas, se esclarece nos acontecimentos da Antiga Aliança e se revela plenamente na Pessoa e na obra de Cristo.

O centro do tempo litúrgico é o Domingo, fundamento e núcleo de todo o ano litúrgico, que tem o seu cume na Páscoa anual, a festa das festas.

Graças ao Concílio Vaticano II, voltamos ao sentido primeiro da Liturgia, como ação comunitária do povo batizado e, por isso todo ele sacerdotal, chamado ao louvor de Deus e à santificação da Vida. E esta participação precisa ser cada vez mais “ativa, consciente, plena e frutuosa”.

Então, o sentido mais amplo da Liturgia é toda esta ação realizada por Deus, em Jesus Cristo e, através do seu Espírito em nós e através de nós a toda a humanidade.