“Quanto mais conhecemos a liturgia, mais amamos, pois nós só amamos o que conhecemos”.

Eis uma pastoral relativamente nova, mas de uma suma importância, já que o sucesso de muitas pastorais depende do dízimo.

O dizimo faz parte do grande projeto de Deus para o seu povo e é sim um sistema financeiro. No entanto, no plano de Deus, dar dizimo apenas, não basta, é necessário dar mais, dar algo de si. Tomemos como exemplo a família bem constituída. Quando ela é equilibrada e inteligente, cada membro contribui de acordo com suas possibilidades e conforme a necessidade

Ninguém se omite, ou, pelo menos, não deveria se omitir. O resultado é uma família sem traumas e feliz. Na comunidade não é diferente. A comunidade é uma família ampliada, é a união das famílias. Daí a importância da participação de todos, com seus dons e bens, contribuindo não só financeiramente, mas sim participando ativamente dos projetos sociais.

Só assim a comunidade merece esse nome e poderá se orgulhar dele. Uma comunidade é formada por pessoas que se conhecem, se respeitam e se sentem responsáveis pela vida comunitária; pela COMUM UNIDADE.

Ser dizimista é ser responsável, é ser cidadão consciente, é amar a Igreja e querer vê-la bela, pujante, evangelizadora. Todos têm obrigação de ser dizimista. É um  ordenamento divino.Se se cobram taxas para alguns sacramentos é porque o dízimo é insuficiente para as despesas da comunidade.

Objetivos Gerais:


- Conscientizar o paroquiano sobre sua responsabilidade com a comunidade da qual faz parte;

- Conscientizar os fiéis sobre a dimensão bíblica, teológica, e espiritual do dízimo;

- Testemunhar a alegria de uma vida agradecida a Deus, através da oferta mensal do dízimo.